articel-img

13 Set 2018 17h17

articel-img articel-img

Que sufoco!

Noite de São Fábio e São Cássio. O Cruzeiro cirurgico no ataque e consistente na defesa. Juiz erra ao dar falta em Fábio. Flamengo tentou de tudo contra um Corinthians pequeno que só queria empate.

img

Quando uma competição milionária e importante como a Copa do Brasil entra na reta final, na fase do mata-mata, dois jogos decisivos com possibilidade de decisão nos pênaltis, a estratégia adotada pelos técnicos, sejam eles de timaços ou de timecos ou de times mais ou menos é sempre muito parecida.

 

O fundamental é fazer o resultado no primeiro jogo quando se joga em casa ou segurar de todo jeito um empate para decidir no próximo jogo em casa, com o apoio da torcida.

 

Foi o que se viu nesta quarta-feira.

 

No Allianz Parque, o Cruzeiro surpreendeu o Palmeiras, fez 1 a 0 e tratou de segurar o resultado.

 

A vitória do Cruzeiro não é uma zebra, claro, mas um resultado pouco apostado, já que o Verdão vinha em plena ascensão nessa era Felipão.

 

Do outro lado, a Raposa merece e exige respeito: tem muito bom elenco, ótimo técnico e está focada na Copa do Brasil.

 

No Rio,

São Cássio.

 

A maior virtude do técnico Jair Ventura no jogo de ontem, foi reconhecer que seu time é muito modesto, se comparado com o Flamengo, e armar um esquema super defensivo. E mais: convencer seus jogadores a serem obedientes.

 

E as ordens dadas pelo jovem Ventura pareceram até aquelas ordens que a mãe, em momento de braveza, dá aos filhos:

 

- Márcio José, não passe dessa linha, entendeu?!

 

Aí, meu amigo, quando a mãe chama pelos dois nomes, é sinal de que a coisa está brava.

 

Imagino no vestiário, o Jair Ventura falando com seus jogadores:

 

- Angel Romero, não passe do meio do campo, ouviu?!?!?

- Ralf de Souza, não se atreva a sair de perto dos beques, entendeu?!?!?

- Clayson Henrique fique sempre perto do Danilo Avelar!

- Mas, eu sou atacante...

- Clayson Henrique da Silva Vieira, Você ouviu o que eu disse?!?!

 

Não há como discutir.

 

O Corinthians se encolheu, se encurtou, se abreviou.

 

Quem cresceu foi o goleiro Cássio. Fez defesas espetaculares, aquelas chamadas de milagrosas. Como todo bom goleiro, contou também com a sorte da má pontaria de jogadores importantes como Diego e Lucas Paquetá.

 

Ao final, o Flamengo cravou 70% de posse de bola, contra apenas 30% do Timão. Esses 30% devem ser referentes às cobranças de tiro de meta, laterais, algumas faltas e só.

 

Veja os melhores momentos:

https://youtu.be/9lqpdHYzbnw

 

Em São Paulo,

São Fábio.

 

Se no Rio Cássio foi o grande nome do jogo, em São Paulo o excelente Fábio foi o grande destaque.

 

Ao contrário do Corinthians, o Cruzeiro não entrou em campo para empatar.

 

Tanto assim que logo aos cinco minutos conseguiu o seu gol num rápido contra ataque e conclusão precisa do artilheiro Barcos.

 

O primeiro tempo do jogo foi equilibrado, mas, no segundo a vantagem foi do Palmeiras.

 

Aí, então apareceu o goleiro Fábio que, quanto mais passa o tempo, melhor e mais rápido ele fica. Aliás, dizem que as pessoas quando ficam mais velhas, vão perdendo os reflexos ou, no mínimo, ficam com reflexos mais lentos.

 

Não é o caso do Fábio. Ou então, mesmo com o passar do tempo, ele não está ficando mais velho.

 

A defesa que ele fez na “tentativa” e gol do zagueiro Egidio mostra como está em dia o seu reflexo.

 

No último minuto de jogo, o lance mais polêmico.

 

Bola alçada na área do Cruzeiro, Fábio sai e tromba com dois jogadores: um do Cruzeiro e outro do Palmeiras.

 

O juiz apita assinalando falta no goleiro. A bola sobra para o zagueiro Antônio Carlos, do Palmeiras, que empurra para o gol.

 

Obviamente, não vale pois o jogo já estava paralisado.

 

Vi e revi o lance diversas vezes. Você pode fazer o mesmo no vídeo abaixo. Em minha opinião não houve falta no Fábio. O juiz errou.

 

Os palmeirenses estão reclamando que o juiz não consultou o VAR, Árbitro de Vídeo. Mas, nesse caso, quando ele já apitou a falta interrompendo o jogo, já não dá mesmo para consultar.

 

O erro, que em minha opinião aconteceu, foi apitar uma falta que não aconteceu.

 

Veja os melhores momentos do jogo.

https://youtu.be/CGt6W714aek

 

Gol

contra famoso

 

O lateral esquerdo Egídio quase fez um golaço contra o seu próprio time. Com um toque sutil ele mandou contra seu gol e a bola só não entrou graças a defesa espetacular de Fábio.

 

Veja no vídeo abaixo outro gol contra famoso.

 

Jogavam Corinthians e Palmeiras. Marcelinho, camisa 7, cobra escanteio colocando a bola no meio da defesa palmeirense. Oséias, atacante que fazia muitos gol de cabeça para o Palmeiras, subiu com a velocidade de uma flecha e cabeceou contra o seu gol. Confira as imagens desse gol espetacular de Oséias.

https://youtu.be/bL3dAMe23fM

 

Duas

Observações

 

1 – Não há que se falar em gol anulado. No polêmico lance, o juiz paralisou o jogo antes de a bola ser tocada para dentro do gol cruzeirense. Portanto, nada já estava valendo.

 

2 – No mesmo jogo, por duas vezes ouvi o narrador gritar a plenos pulmões: “A trave salvou o gol de Fábio”.

 

A trave não salva nada. Ela está lá, parada, estática, imóvel.

 

Ela teria evitado a bola entrar caso se movesse: um passinho pra cá, um passinho pra lá, uma abaixadinha evitando que a bola entrasse. Aí, sim, trave teria salvado o gol.

 

Como ela não se movimenta, não salva ninguém.

Próxima Artigo

17 Set 2018 20h03

Cena de um absurdo sem sentido

Grotesca cena de várzea no Maracanã, o estádio mais caro do Brasil. E o Brasileirão foi morno em gols e em emoção. Clássicos terminaram empatados e na luta para fugir do Z4 o Ceará se destacou.

Últimos artigos