articel-img

26 Jul 2018 13h42

Manoel Vilhena Saldanha

Tennessee Whiskey

Não só de country music vive Nashville

articel-img
img

A cidade é a capital do Tennesse, estado americano famoso por sua produção de whiskey. O Jack Daniels, por exemplo, é de lá e é possível visitar sua destilaria, que fica a cerca de 1h30 do centro da cidade. Não é tão longe, mas não tínhamos muito tempo. Resolvemos, então, visitar a destilaria do famoso bourbon da cidade, o Belle Meade.

 

Na verdade, a destilaria leva o nome do whiskey que produz: Nelson’s Green Brier Distillery. É bem perto do centro da cidade (cerca de dez minutos) e tem tours de meia em meia hora. Não foi preciso reservar com antecedência (fomos em dia de semana, mas parece que nos fins de semana lota...) e custou US$ 11. Chegamos lá e só tivemos que esperar um pouquinho o início do tour. Mas não tivemos muita sorte... Nosso tour foi super resumido porque eles tiveram problemas com as máquinas alguns dias antes e estavam consertando.

 

De qualquer forma, deu para ter uma ideia de como o whisky e o bourbon são produzidos, e entender a diferença entre os dois. Em geral, o bourbon é o whiskey produzido nos EUA, especificamente no Tennessee e no Kentucky, e tem como matéria prima principal o milho. O “Tennessee Whiskey” também é uma marca registrada do estado, e sua matéria prima é a cevada. Para poder ser chamado assim, há várias regras, como usar um barril de carvalho novo sempre. Os usados são vendidos para a Irlanda e para a Escócia.

 

Na visita também ficamos conhecendo a história do Nelson Green Brier, um imigrante alemão que fundou a destilaria. Depois de sua morte, sua mulher Louisa deu segmento aos negócios, registrando e patenteando a marca Belle Meade. A destilaria acabou fechando por um bom tempo e foi reaberta pelos tataranetos dos dois.

 

No fim da visita, há uma degustação do whiskey, do bourbon e de um licor chamado Louisa, de pecan, caramelo e café – todos ótimos. Saímos tontinhos de lá, e claro, acabamos atraídos pela lojinha. Até que nosso estado etílico não foi tão grave e conseguimos nos limitar a duas garrafas – uma do whiskey e outra do licor.